quarta-feira, 18 de maio de 2016

"Adão e Eva Nunca Existiram [...]"

Imagem Meramente Ilustrativa
Então, me responda o seguinte: Se este casal nunca existiu, como responder a questão do estudo feito pela Dra. Rebecca L. Cann, sobre o mitocôndrias Humano? Esse estudo nos prova que toda a humanidade veio de uma unica, exclusiva e mesma mulher.

Como explicar o fato de diversas civilizações no mundo adotarem em sua História o relato de Um casal, no inicio de tudo, terem vivido em um jardim, criado por um(s) deus(es), que foram proibido de comer um fruto, foram enganados por um ser vivente dentro desse jardim e expulsos dele por desobediência?

Veja a Suméria, por exemplo, a civilização mais antiga do mundo, sua primeira cidade era Eridu (ou Edin) e do seu primeiro habitante Adapa. Por sinal são muito parecidos com os nomes em hebraico de Eden e Adam (Assim como João e John são parecidos no português e inglês).

Vamos supor que este casal é um mito e a evolução é verdadeira. Como então surgiu a sexualidade e o gênero sexual, ou seja, como surgiu o homem e a mulher? Como que a evolução é tão magnífica ao ponto de fazer evoluir órgãos genitais, ao mesmo tempo que reproduz novos seres vivos da mesma espécie, sem alterar codificação genética, fazendo nascer órgãos genitais que antes não existiam (em uns masculino e em outros de feminino)?

Não daria certo, pois sempre algo ficaria faltando! Pense na falha total de reprodução que seria... Imagine a complexidade que são os aparelhos reprodutores do seres humanos e os milhões de anos que DIZEM que demorou para a evolução acontecer. Como chegamos aqui, então?

segunda-feira, 18 de abril de 2016

NÃO! ESPERA AÍ !

Não posso me calar, perdoem-me. “Arrependei-vos, pois o reino dos céus está próximo.” (João Batista)

Muitos se dizem estudados, mas o apóstolo Paulo diz que se alguém diz que sabe alguma coisa, ainda não conhece até o ponto em que é necessário conhecer.

Muitos se dizem “Cristãos”, mas alegam que nem tudo o que está na Bíblia é verdadeiro e que ela não para ali, ou seja, é necessário ter outras fontes de doutrina e documentos para apoiar a fé. Mas Paulo diz em 1 Co 4:2 “não ultrapasseis o que está escrito” e também em Gl 1:8 “Ainda que vier alguém ou um anjo do céu ensinando outras doutrinas, que este seja amaldiçoado”. E João também escreveu em Apocalipse: “A todo aquele que ouve as palavras da profecia deste livro, testifico que se alguém lhes fizer qualquer acréscimo, Deus lhe castigará”.

Muitos dizem que sabem e seguem a verdade. Mas o que é a verdade? Será que há várias mediações para a verdade? A Igreja detém a verdade absoluta? Eu preciso disso e daquilo pra ser salvo, ou pra me comunicar com Deus, ou pra receber uma graça, etc, etc...? Jesus Cristo disse que somente Ele é o caminho, a verdade e a vida e ninguém vai a Deus a não ser por Ele. E Paulo disse que somente Jesus é o mediador entre Deus e os homens.

Muitos se vangloriam das ações sociais que fazem por aí, mas Jesus Cristo disse que quando a gente fizer caridade não é para “tocar a trombeta” como fazem os hipócritas, pois o que a mão esquerda faz a direita não precisa saber.


Muitos dizem que é necessário fazer boas obras para ser salvo. Uma maneira de cooperação para a salvação antropocêntrica, egocentrista, que tira quase todos os méritos de Cristo. Mas Paulo, novamente, diz “pela graça sois salvos mediante a fé, e ISTO não vem de vós, é dom de Deus. E NÃO vem de obras para que ninguém se glorie”. As boas obras são ações das pessoas que são salvas e não ações para se obter a salvação.

Muitos dizem que não são idolatras. Em Atos 14:15 a idolatria é definida como “coisas vãs”. A idolatria pode ser desde um ‘deus’ esculpido descrito em Êxodo 32, até um objeto (Levitico 26) ou uma pessoa querida (1 Corintios 1) ou ao dinheiro e a avareza do coração (Colossenses 3) ou a cobiça (Efésios 3), etc... Tomemos cuidado!

Muitos se revoltam e usam a frase de Jesus “não julgueis para que não sejais julgados”. Ok! Mas o que Ele quis dizer com isso? A Bíblia é clara neste episódio. Jesus estava proibindo o julgamento hipócrita, ou seja, julgar alguém com os defeitos que você mesmo também os pratica. E mais, vejo Jesus e os apóstolos emitindo juízo inúmeras vezes. E não encontro como cumprir certas partes da Bíblia sem julgar, como por exemplo, reprovar as obras das trevas em Efésios 5:11 e rejeitar o falso evangelho pregado em Galatas 1:8.

E são muitos, os muitos, que dizem que são santos... Será?

Deus tenha misericórdia de nós. Que Ele nos ache merecedores de algo, porque não somos!

terça-feira, 29 de março de 2016

No Monte da Transfiguração...

Uma dúvida que surge entre muitos... Em Mateus 17, Quando a Transfiguração de Jesus acontece, não seria base para a consulta aos mortos e pra tantas outras doutrinas alheias até dentro do cristianismo? Não! FALÁCIA!

Primeiro, o próprio evento já diz que Jesus se transfigurou para falar com as duas pessoas. Se trouxermos isso para os dias atuais, todos nós, ao falarmos com alguém que já morreu teríamos que ou nos tornar em “espíritos”, ou em corpos glorificados, ou ainda em almas penadas.
Imagem Ilustrativa

Segundo, a narrativa diz que foi somente Jesus (na figura de Deus), que falou com Moises e Elias e nenhum humano participou da conversa. Quando Pedro foi tentar participar daquilo, Deus deu um “pito” nele, baixou-se uma nuvem, eles caíram com rosto em terra e ouviu-se uma voz no verso 5 dizendo: “Este é meu Filho amado, em quem me comprazo”, em referência a Jesus.

Terceiro, a doutrina espírita diz que João Batista seria a reencarnação de Elias. Mas então quem teria que aparecer ali seria João Batista e não Elias, pois na reencarnação o que vale é o último corpo, não é?! Batista já havia sido morto, então ele deveria ter aparecido. Além disso, Elias nem tinha morrido. Deus o tinha levado ao céu por livre e espontânea vontade. Cai por terra, tudo isso ai.

E por último, foi um evento único. Se houvessem mais acontecimentos desses narrados na Bíblia, a gente até poderia suspeitar. Mas ela mesma diz pra nós não consultarmos adivinhos e nem os mortos no livro de Isaias, etc. E se Jesus quisesse que nós fizéssemos isso ele teria dito e teria feito com os mortos da época. Como ele não falou e não fez, a gente faz igual. Amém?! Kkkk

terça-feira, 15 de março de 2016

Sobre os Valores Morais


É fácil ser ateu com as premissas a seguir:

1- O mundo é mal.
2- As pessoas estão perdidas, não se tem uma perspectiva de futuro.
3- Logo Deus não existe.

Digamos que o Teísmo é falso. Por que achar, então, que os seres humanos têm valores morais objetivos? Afinal de contas, no ponto de vista naturalista, não há nada de especial nas pessoas. Somos subprodutos do acaso, perdidos num universo hostil, destituídos de mente e que desapareceremos num tempo relativamente curto. Ou seja, palavras de Richards Dawkins, a saber: “não há nada, nenhum propósito, não há mal algum, bem algum, nada, a não ser uma indiferença inútil [...] Somos máquinas. ”

Convenhamos, não é bem assim né... Kkkk! Os valores morais têm sentido em nossa vida. Temos noção, sim, do que é certo e errado. E ser humano tem valor especial intrínseco em si mesmo. Se o Teísmo fosse falso, qual seria então a base dos deveres morais objetivos? Nisso, o ateísmo cai de costas, pois nós seríamos como animais, sem obrigações ou necessidades morais alguma uns para com os outros. Matar, estuprar e fazer guerra não seria errado e praticar o amor, a gentileza e o carinho não seria certo.

De fato, a Bíblia ensina efetivamente que a lei moral de Deus está “escrita nos corações” de todas os homens, de tal forma que mesmo aqueles que não conhecem a lei de Deus “praticam as coisas da lei por natureza”, uma vez que “têm ainda o testemunho da sua consciência” (Romanos 2:14-15).

Portanto, prefiro ficar com as seguintes premissas:

1- Se Deus não existe, não existem valores e deveres morais objetivos.
2- Valores e deveres morais de fato existem.
3- Portanto, Deus existe.

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

Como Lidar Com a DÚVIDA Na Vida Cristã?

É preciso reconhecer que ela requer paciência e persistência para resolvê-la e que pode ser uma experiência agonizante para qualquer pessoa. Mas quatro pontos são essenciais para que possamos defrontar com a dúvida.

Primeiro, reconheça que a dúvida nunca é um problema puramente intelectual. É preciso reconhecer que há uma dimensão espiritual para o problema. Sempre lembre-se que o inimigo te odeia e que você está envolvido numa intensa batalha espiritual como Paulo diz em sua carta aos Efésios 6:12.

Segundo, quando a duvida surge, tenha em mente a relação adequada que existe entre fé e razão. A questão é a seguinte: como sei que o que eu creio é verdadeiro? Como sei que a fé cristã é a certa? Lendo o Novo Testamento, nos obtemos a resposta para todas as nossas perguntas e elas se evidenciam pelo próprio testemunho do Espirito Santo dentro de nós. Conforme o que está escrito em Romanos 8:15-16, em Colossenses 2:2 e em 1 Tessalonicenses 1:5.

Terceiro, lembre-se da fragilidade de nossos intelectos e do nosso conhecimento limitado. Quanto mais dizemos que somos sábios, mais a gente não sabe nada. Precisamos ser humildes e estudar, pois Paulo diz que se alguém supõe conhecer alguma coisa, ainda não conhece até o ponto em que é necessário conhecer (1 Corintios 8:1-3).

Quarto, lute com as suas dúvidas até resolvê-las. O segredo do manejo da dúvida em nossa vida é não resolver cada questão, mas aprender a viver vitoriosamente com questões não resolvidas. Mas quando tiver a oportunidade, não perca tempo, tire-as da prateleira e sancione cada uma delas.

Enfim, não deixe as suas dúvidas o vencer, elas são uma das armas mais perigosas do inimigo contra a nossa vida. Trate delas, empenhe-se nelas, até que você possa vencê-las, subjugando-as. Que Deus nos dê, pelo Espirito Santo, o dom da fé para que possamos triunfar sobre as dúvidas e levar todo pensamento cativo a obediência em Cristo!